terça-feira, 24 de janeiro de 2017

OS ROYALTIES DO PETRÓLEO SERÃO O FIM DE PARATY/RJ


Os Estudos Socioeconômicos constituem uma coleção elaborada pelo Tribunal de Contas do estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) de 91 estudos dedicados a cada um dos municípios fluminenses (exceto capital). O objetivo do TCE-RJ é apresentar a partir desses estudos o desempenho de diferentes áreas sociais e de governo, fornecendo ao administrador subsídios para que sejam adotadas melhores decisões no atendimento às necessidades da população. O estudo referente à Paraty/RJ, que remete ao ano de 2014, foi publicado e está à disposição no site do TCE-RJ. Após leitura, pode-se chegar às seguintes conclusões: que a prefeitura existe para prover a sua própria existência e que os royalties do petróleo ainda permitem o seu funcionamento. Veja abaixo o resumo do TCE-RJ e tire suas próprias conclusões.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

O PLANO DO JECA TATU

Prefeito de Paraty/RJ apresenta para os secretários municipais o Plano de Metas Estratégicas do Governo e afirma que "cada uma das secretarias de Paraty terá que cumprir metas que serão avaliadas por uma Central de Resultados ligada ao Gabinete e que estão divididas em seis eixos: equilíbrio fiscal, qualidade e eficiência na Saúde, avanços da educação, segurança pública, turismo sustentável e transparência e engajamento social".
Logo nos primeiros dias do mandato passado tentou-se engendrar uma política de planejamento estratégico, mas pela crítica e ignorância do alto escalão municipal, nada foi continuado. 
Um plano para inglês ver e destinado a um público-alvo que já cansou de ser subestimado pela arrogância e desfaçatez do governo. A "estratégia Mazzaropi" às avessas de governar não descortina o caos, apenas tenta desviar o foco. 

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

CAIS DE PARATY/RJ É PRIVATIZADO

Prefeitura de Paraty/RJ privatiza o cais para as grandes embarcações (escunas e saveiros) e com esta iniciativa poderá alijar num futuro bem próximo o caiçara, proprietário de pequenas e tradicionais embarcações, do seu ganha pão. Estes já foram expulsos de suas praias e agora serão expulsos do mar. O que interessa ao atual governo municipal é lucrar com a cobrança de uma duvidosa taxa de embarque e arrecadar ISS. Na tentativa de regular o mercado de passeios na baía de Paraty e acabar com a venda de "bilhetes piratas", o poder público não garante uma infraestrutura que justifique a cobrança de uma taxa de embarque e, no futuro, tal modelo já em operação poderá extinguir com a tradição. Além disso, o direito à vista do principal cartão da cidade já foi tolida.