domingo, 29 de julho de 2012

POLÍTICA EM PARATY: OS FINS AINDA NÃO JUSTIFICARAM OS MEIOS


Para Thomas Hobbes (1588 - 16790) o "Homem é o lobo do Homem", pois deixado ao "Estado de Natureza” buscaria o conflito, a guerra. O Homem é um ser desejante por natureza e a guerra ilustra bem a igualdade humana pelas mesmas coisas, a liberdade natural de agir conforme a sua vontade para suprir seus desejos.
Para Maquiavel (1469 - 1527) preservar o Estado significa, às vezes, agir contra a fé, a caridade, a humanidade e ajustar-se às diversidades, e obrigado a praticar o mal se for necessário.
Neste ambiente previsto por Hobbes ou por Maquiavel a violência natural ainda não está controlada e não pressupõe nenhum tipo de ordem social imposta. Portanto, o Homem ao agir de forma a contemplar a fé, a caridade, a humanidade estará fadado ao fracasso enquanto viver expondo-se a inimigos que não têm diante de si nenhuma destas limitações.
No atual ambiente político constata-se um comportamento sem limites e desagregador. É instaurada uma guerra. O conflito é inevitável!
Para o filósofo inglês não haveria na Natureza Humana nenhuma regra ou lei que limitasse o Homem de praticar qualquer conduta. Não haveria o “certo” ou o “errado” no modo de agir. Para Hobbes as regras de caráter moral são convenções criadas pela vida em coletividade. Ou seja, criações do Homem socializado. Um pacto social que impede, inibe o que Hobbes chamou de estado da natureza, pois o Homem deixa de agir segundo a sua natureza e passa a respeitar a Lei. Mas, se aqueles que criam as Leis que regem a vida em sociedade são os mesmos que não conseguem abrir mão de sua liberdade natural e agem conforme suas vontades, seus desejos e não conseguem impor limites ao seu comportamento e afrontam a vida em sociedade, as leis morais e jurídicas, estariam assim agindo em prol da defesa dos interesses da coletividade, do progresso, da prosperidade do município, do estado, do país?
Maquiavel, assim como Hobbes, nos dá conselhos no sentido de garantir aos súditos e príncipe a vida harmoniosa e os papéis que cada um deveria desempenhar para manter o principado. Para Hobbes o pacto entre príncipe e súditos não deve ser rompido e para ele ao governante não é imposto limite de agir conforme a necessidade. Já o Florentino alerta o governante para não comportar-se como alguém que pode fazer tudo o que quiser, pois quem assim agir conhecerá a sua própria ruína. E vai mais além quando alerta o súdito que a sua moral é a obediência à Lei
Para Maquiavel a Política é a arte do possível e não a ação livre e desenfreada para realizar desejos. É a necessidade que conduzirá a ação do governante e não a ambição, o desejo. Porém, esta necessidade impõe condutas contrárias à razão e obriga o governante a agir conforme a sua própria moral. A Moral do Príncipe é a prudência e a dos súditos obedecer às Leis, pois o tribunal é o comum, diferentemente do governante, que encontrará na História o seu julgamento. Por isso, para ele “os fins justificam os meios” ou os resultados de suas ações serão os balizadores para o seu julgamento histórico.
Não há razão alguma em afirmar que na Política não há moral, seja pela ausência de princípios que inibissem ou estabelecessem limites às ações dos políticos. Não há desculpa válida para praticar qualquer conduta em nome de um ideal, de um desejo. Seria admitir a submissão da moral ao desejo.
Admitir que o político pode praticar condutas imorais no período eleitoral para atingir o poder ou agir sem limites na execução do poder emanado pelo povo após a vitória no pleito, tudo em nome de um ideal, não o exclui do tribunal da história. Ele não será julgado por princípios ou regras previamente estipuladas pela vida em sociedade, mas de uma forma diferente, ou seja, por ações que geram resultados para a coletividade, principalmente no aspecto econômico. Qual foi o governo do mensalão? Mas quem foi o governante que tirou milhões da linha da pobreza? Voce acredita em vaticínio? Como voce acha que os governantes dos últimos 16 anos passados serão lembrados? São ou não são os fins que justificam os meios? Em Paraty os fins ainda não justificaram os meios.

sábado, 21 de julho de 2012

Projeto "Vivência Paraty" vai integrar a Programação Oficial do Governo Federal na promoção do Brasil pela realização da Copa do Mundo FIFA 2014



Plano de Promoção do Brasil
A Copa do Mundo FIFA 2014 como plataforma de promoção do país
O Projeto abaixo, inscrito sob o nº. 0067507518, foi selecionado conforme Chamada Pública, nos termos da Resolução nº. 5/2012, Grupo Executivo do Governo Federal da Copa do Mundo FIFA 2014 – GECOPA, e receberá a partir de agosto/2012 chancela necessária para integrar a Programação Oficial do Governo Federal na promoção do Brasil pela realização da Copa do Mundo FIFA 2014. O projeto aprovado atende ao eixo temático: Turismo.

Nome do Projeto 

Vivência Paraty

Período de Realização
Início: 10/08/2012 
Fim: 10/06/2014

Local
Brasil - RJ - Paraty

Público Alvo
Pretende-se contemplar com o projeto em 2 anos as principais agências e operadoras e também o mais importantes veículos de imprensa do Brasil e do Mundo, perfazendo um total de 196 profissionais especialmente selecionados.      

Público Alvo (Estimativa)
196

Apresentação 
A concepção do projeto está comprometida com a sustentabilidade e imbricada com o conceito de desenvolvimento sustentável, pois pretende-se demonstrar ao visitante a atividade turística aliada ao desenvolvimento local, este último entendido como um processo reativador de outros setores da economia local (pesca e agricultura) e dinamizador da sociedade local, mediante o aproveitamento eficiente dos recursos endógenos existentes, capaz de estimular e diversificar seu crescimento econômico, criar emprego e melhorar a qualidade de vida da comunidade local.
A vivência dos atrativos locais, principalmente dos intangíveis, transmite uma emoção e consegue agregar valor ao produto turístico experimentado. Por outro lado, o profissional que vivencia o destino concebe o conceito que pretendemos que seja divulgado e permite o entendimento pleno do modelo de turismo sustentável de sucesso a ser difundido no Brasil e mundo.

Objetivo
Proporcionar aos visitantes especializados, nacionais e internacionais, as vivências do Turismo Sustentável de Paraty, tendo como resultados a veiculação de matérias jornalísticas; o aumento da demanda turística; o fortalecimento da marca Brasil associada à sustentabilidade. Ao término do projeto serão produzidos 5.000 Show-Cases para divulgar no Brasil e no mundo essa vivência inédita.

Justificativa
O Projeto Vivência Paraty representa “o esforço de sustentabilidade”, ponto em que o país tem avançado significativamente, mas que ainda é muito pouco conhecido. Esse é essencialmente o atributo que será trabalhado por Paraty para contribuir com o país no avanço do processo de construção de sua imagem e, ao mesmo tempo, ampliar o conhecimento no período de pré-copa dos atrativos regionais do Brasil e sua diversidade, pois está voltado para um público-alvo nacional e internacional especializado em turismo. Paraty é representante de uma diversidade cultural, histórica, natural única. Por outro lado, visitas especializadas ao destino geram efeitos positivos na recepção ao turista, tais como: estímulo às boas práticas; busca pela qualidade no atendimento; profissionalismo; etc. Além disso, por ser realizado na Região da Costa Verde do RJ, no eixo Rio-São Paulo, despertará o interesse em visitar o país, não apenas na Copa. Certamente, antes mesmo da Copa, o projeto estimulará o desejo de visitar a região e permanecer depois como uma opção além das cidades-sede ou sub-sedes. O Projeto Vivência Paraty pretende expor a marca do país e da Copa de 2014 atrelada ao conceito de Turismo Sustentável, ou seja, à sustentabilidade.

Descrição Detalhada
O Projeto Vivência Paraty será executado em Paraty, no 2º semestre do ano de 2012, no ano de 2013 e no 1º semestre de 2014. O Projeto Vivência Paraty constitui-se no Roteiro abaixo a ser vivenciado pelos visitantes:
1º dia: Cachaça, Centro Histórico e Gastronomia Sustentável
•          Check-in: Pousada/Hotel
•          Passeio à tarde: City Tour (com Guia Especializado)
•          Jantar: Restaurante (Gastronomia Sustentável) – degustação de cachaças de Paraty
2º dia: Caminho do Ouro, Cultura e Gastronomia Sustentável
•          Café Caiçara
•          Passeio pela manhã: Mini-Estrada Real, Caminho do Ouro, Alambiques e Cachoeira
•          Almoço: Restaurante (Gastronomia Sustentável)
•          Passeio à tarde: Casa da Cultura e SPA (Shambhala)
•          Passeio à noite: Teatro de Bonecos - Grupo Contadores de Estórias
•          Jantar: Restaurante (Gastronomia Sustentável)
3º dia: Mar e Gastronomia Sustentável
•          Passeio pela manhã: Baía de Paraty (visita a comunidade caiçara costeira)
•          Almoço: Restaurante (Gastronomia Sustentável)
•          Check-out: Pousada/Hotel
Outras Opções para o 3º dia:
Vivência Ecológica
•          Passeio manhã e tarde: Agrofloresta (Taquari / São Gonçalo) - roteiro próprio
•          Jantar: Restaurante (local)
•          Check-out: Pousada/Hotel 
Vivência Quilombola
•          Passeio manhã e tarde: Campinho (Quilombola) - roteiro próprio
•          Jantar: Restaurante (local)
•          Check-out: Pousada/Hotel 
Vivência Caiçara
•          Passeio manhã e tarde: Tarituba (Vila Caiçara) - roteiro próprio
•          Check-out: Pousada/Hotel 

Estratégia
O projeto prevê a realização de 3 etapas: Preparação, Divulgação e Execução, conforme detalhado abaixo.
1. Etapa 1 - Preparação
1.1. Coquetel de Lançamento do Projeto: será realizado um evento de lançamento do projeto e na ocasião serão convidados os principais representantes do público-alvo (agentes de viagens, operadores e jornalistas).
1.2. Elaboração do Folder do Projeto: criação da arte final do folder do projeto
1.3. Elaboração do Cartaz do Projeto: criação da arte final do cartaz do projeto
1.4. Elaboração do Vídeo Institucional do Projeto: será produzido um filme de no máximo 2min.50seg. para divulgação do projeto.
1.5. Elaboração de Banner do Projeto: criação da arte final do banner do projeto que será afixado nos parceiros que integrarão o roteiro.
1.6. Elaboração da Logomarca do Projeto: o projeto terá uma logomarca própria associando sustentabilidade à Copa 2014.
2. Etapa 2 - Divulgação
2.1. Assessoria de Imprensa do Projeto: será contratada assessoria de imprensa para prospectar e intermediar a lista dos 196 visitantes.
2.2. Campanha de e-mail marketing: será executado a cada ano pacote para campanhas quinzenais, durante 12 meses e mais 6 sazonais.
2.3. Elaboração do Hot-Site do Projeto: o projeto terá um hot-site que possibilitará a divulgação das matérias jornalísticas, galeria de fotos, entrevistas, informações do roteiro, fazer gestão e inter-relação do grupo de visitantes entre si, etc.
2.4. Impressão do Material de Divulgação: a cada início de ano será impressa parte do material de divulgação (folder, cartaz e banner).
2.5. Clipping: as publicações na mídia durante o projeto serão acompanhadas e registradas.
3. Etapa 3 - Execução
3.1. Recepção de 196 Visitantes Especializados
3.2. Contratação de Gestão profissional.
3.3. Contratação de Agência de Viagem para viabilizar o transporte dos visitantes até o destino.
3.4. Utilizar a estrutura e expertise do Paraty CVB em prol do Projeto.
3.5. Contratação de pesquisas de demandas.

Resultados Esperados
Elaboração e Impressão de Relatórios Parciais: ao término de cada semestre será produzido um relatório conclusivo para demonstração dos resultados alcançados pelo projeto, não só em termos de caracterização dos visitantes, mas também na quantidade de cm/coluna revertida em matérias espontâneas sobre o destino com foco na palavra “sustentabilidade” e no aumento do fluxo de turistas que passaram a visitar o destino atraídos por essa perspectiva. Para tanto, serão realizadas pesquisas de demanda semestrais para conhecer esse fenômeno.
O resultado a ser gerado será 30 mil cm/colunas em matérias em veículos impressos, no Brasil e mundo; e, a visita de 196 profissionais nacionais e internacionais especializados em turismo (agentes de viagens, operadores).
Ao término do projeto serão produzidos 5.000 Show-Cases para divulgar no Brasil e no mundo essa vivência inédita.
Outros resultados esperados:
1) INTEGRAR os demais projetos e ações de cunho sustentável que estão isolados ou pouco divulgados e até mesmo esquecidos. Por exemplo: os projetos de incentivo à agrofloresta, o carbono compensado, a campanha de coleta de óleo, o incentivo à pesca e cultivo de fazendas marinhas em comunidades caiçaras, Passaporte Verde, Gastronomia Sustentável, etc.
2) DIRECIONAR INVESTIMENTOS para os atrativos turísticos que compõem o Roteiro. Por exemplo: revitalização do "Caminho do Ouro", sinalização turística dos pontos do roteiro, melhorias da infraestrutura do cais, conservação e limpeza do Centro Histórico, etc.
3) O projeto torna o Turismo um DINAMIZADOR DE OUTRAS ATIVIDADES ECONÔMICAS, pois ações de incentivo à agrofloresta, à pesca artesanal e cultivo de fazendas marinhas em comunidades caiçaras, indicação geográfica da cachaça, por exemplo, estão alinhadas com o conceito de desenvolvimento local adotado pelo projeto.
4) AGREGAR VALOR ao produto turístico com a inclusão de atrativos culturais ao Roteiro, ou seja, a música, a dança, as festas tradicionais, o artesanato, teatro, o modo de fazer, de ser, de viver, das cores, dos cheiros e dos sabores, etc. Por exemplo: o visitante terá a oportunidade de participar de uma ciranda, ver a produção de cachaça, de farinha, a visitação de um cerco de pesca, etc.
O visitante será provocado a compreender que o desenvolvimento local pretendido, exposto à globalização, no longo prazo, será resultante direto da capacidade dos atores e da sociedade local em se estruturarem e se mobilizarem, com base nas suas potencialidades e suas matrizes econômicas e culturais, para definir e explorar suas prioridades e especificidades, buscando a competitividades num contexto de rápidas e profundas transformações. O resultado em termos de posicionamento no mercado está caracterizado pelos atrativos turísticos que possam diferenciar Paraty (Brasil) dos demais destinos (do mundo) ao passo que também possibilitem a compreensão plena das características locais. Ou seja, os atrativos escolhidos ou desenvolvidos para integrarem o Roteiro do projeto "Vivência Paraty" são aqueles que podem diferenciar o destino e que ao mesmo tempo o caracteriza. Neste ponto, a globalização vem justamente reforçar a importância do desenvolvimento local como forma de garantir a sustentabilidade da atividade turística em Paraty, visto que cria a necessidade de formação de identidades de diferenciação entre regiões e comunidades, para que possam enfrentar um mundo de extrema competitividade. Portanto, quando será apresentado ao visitante profissional um prato da gastronomia sustentável, por exemplo, ali está sintetizado o modelo de desenvolvimento proposto para o turismo no mundo inteiro, pois no prato deve ter como ingredientes um palmito plantado e colhido em Paraty em bases agroecológicas ou frutos do mar oriundos da pesca artesanal fornecidos por uma comunidade caiçara, que o empreendimento é carbono compensado, que todo o óleo utilizado será coletado e transformado em biodiesel. Este é o principal resultado a ser esperado pelo projeto: a mudança da cultura do modo de produzir e do padrão de consumir.
Além dos resultados esperados com a execução do projeto, como por exemplo, a veiculação espontânea de matérias jornalísticas que retratem o turismo sustentável em Paraty e o aumento da venda do destino nas agências e operadoras em virtude da ampliação do conhecimento sobre o destino e o seu comprometimento com a sustentabilidade, ao término do projeto o Paraty CVB poderá captar recursos de empresas interessadas em eventos de relacionamento. Ou seja, CEOs de importantes empresas públicas e/ou privadas, do Brasil e do mundo, poderão ser contemplados pelo Roteiro e incorporarem o conceito de sustentabilidade e de desenvolvimento local para utilização em suas corporações.